domingo, 5 de abril de 2015

O primeiro coração que parti

Lembro-me de cada pormenor como se tivesse sido ontem. Talvez pela culpa que senti apesar dos meus apenas 8 anos. 
Estava doente, uma gripe como as tantas que tinha, por isso não tinha ido à escola. 
Tu também estavas doente. Algo mais grave, muito mais grave... Não podias sair de casa para não seres contaminado por qualquer germe e por isso assistias às aulas através de uma video-chamada.
Nesse dia contaste à turma que estavas apaixonado. Eu não estava presente, assim como outra colega, mas quando te ouvi falar reparei que apesar dos teus 8 anos falavas com tanto carinho que quando me lembro, agora, não sei como era possível já conheceres esse sentimento que nos faz pôr os outros à frente de nós próprios.
Puxaram por ti. Quem era? Conheciam-na? Uma vizinha? Talvez lá da escola? Ou até mesmo da turma?
No final do dia admitiste que era da nossa turminha e que tal como tu, estava ausente. Isso resumia muito as coisas... No dia seguinte soube as novidades. Fiquei envergonhada, claro que te conhecia bem e que gostava de ti. Que criança não gosta dos seus coleguinhas e amiguinhos do 3º ano de escola? Mas não da mesma forma, eras um amigo apenas e eu não sentia as borboletas na barriga de que tanto falavas.
Chegou a Pascoa. Vieste a minha casa entregar-me um pequeno peluche e um saquinho de amêndoas.  Usavas a mascara como nos hospitais mas eu vi nos teus olhos que sorrias. E eu retribui-a o sorriso porque tu sabias bem o quanto amava (e ainda amo) peluches e sabias também que esse gesto significaria muito para mim. Corei, dei-te um beijo na bochecha seguido de um "obrigada" muito tímido. Tinha chegado a parte difícil...
"És um amigo excelente, sempre simpático e disposto a fazer-me sorrir custe o que custar. Mas eu não gosto de ti como tu gostas de mim... Desculpa"
A tua resposta foi tão simples e tão boa para mim que nunca a esqueci "não faz mal, eu gosto de ti na mesma" Desta vez os olhos sorriam com tristeza e uma abraço foi o nosso adeus. 
A doença piorou e deixaste de assistir às aulas. Acabaste por mudar de turma e nunca mais soube nada de ti.
Mas agora existem as redes sociais e um pedido de amizade inesperado aqueceu o meu coração. Estás bem e cada vez melhor, tens amigos que te adoram e seguiste com a tua vida. O meu patinho foi guardado com todo o amor e carinho que a nossa amizade tinha e ainda hoje me lembro de o olhar e pensar "só quero que seja feliz Mike"

Já não nos vemos à anos e não falamos desde que me deste o patinho naquela Páscoa, mas desejo-te a maior felicidade do mundo porque um guerreiro como tu bem a merece.
Beijos docinhos da tua amiga Sam*

Feliz pascoa minha gente!


2 comentários:

  1. owwwww, so cuteeeee!!! *.* fala com ele, rapariga!

    r: tens razão! obrigada <3

    ResponderEliminar