sexta-feira, 20 de março de 2015

Tão perto mas tão longe

Ando a mil à hora. Muito que fazer em pouco tempo e esta distância não me sai da cabeça.
Ainda não partiste e já te sinto a fugir. Pensei que a proximidade ajudasse, afinal já não preciso de hora e meia para te ver, em 30 minutos estou ao pé de ti, mas continua tudo igual. Passas a semana fora e nem ao ver aquele prédio robusto, nem ao ver os carros parados, todos topo de gama, em frente à entrada, nem ao ver pessoas sentadas à espera do sua refeição, nem por saber que estás ali, a meia dúzia de metros do sitio onde me encontro, me sinto feliz. Sei que estás perto, mas mesmo assim é tão longe...
Como é que me tornei nesta pessoa que precisa tanto de ti? Como é que virei da "miss independente" para a "namorada que não quer descolar"? É tão assustador que chego a pensar que perdi parte de mim. Já não quero sair de casa, já não quero me arranjar, já não me sinto bonita... Claro que desta ultima parte a culpa não é tua mas sim da minha preguiça. Mas deixei de me preocupar comigo, deixei de gostar de mim e nada faço para contrariar esse sentimento. 
Ás vezes parece que vens e vais e nem passas por cá. Falta tempo para mimo, faltam os pequenos momentos e as pequeninas surpresas. Existe sempre discussão mas nunca existe uma saída, um momento de descontracção, nem uma flor roubada num jardim. Existe o "despacha-te" e o "anda lá, temos de ir" e já não existe o tempo para sermos nós, para doer a barriga de tanto rir nem jogar ás cartas como tantas vezes fazíamos. E pergunto-me; deixamos de ter tempo ou de ter paciência?
Temos sempre tanto para fazer, tantas responsabilidades que parece que nos esquecemos de amar, ou melhor de como amar. Esquecemos-nos que o amor não é só partilhar uma cama e o sexo ou acompanhar nas responsabilidades do dia-a-dia.
Amar é mais, muito mais! 
Amar é sentir as borboletas mesmo após 50 anos juntos. É saber os defeitos e mesmo assim continuar junto. Amar é fazer o bolo preferido só porque queremos animar o dia do companheiro, é oferecer uma flor sem qualquer razão, é dar as mãos, abraçar e beijar. Amar é tanto que ninguém conseguirá explicar tudo o que amar implica. Com tudo o que tem acontecido, esquecemos o quão bom é amar e o quão importante é mostrar que se ama. E neste momento sinto que estás longe e tão perto e mesmo perto, parece que não passas por cá...

Sem comentários:

Enviar um comentário